Conhecendo o ‘Sistema de Construção à Seco Dry Wall’

Os alunos do 1º, 2º e 3º períodos de Arquitetura e 4º período de Design participaram de uma palestra com o Executivo de Vendas Técnicas da Saint-Gobain – PLACO do Brasil, Alexander Prevot, na última quarta-feira (03). A convite da professora Karen Bortoli, o profissional compartilhou informações sobre o ‘Sistema de Construção à Seco Dry Wall’, cujo desenvolvimento e utilização remonta ao início do século XX, quando comparado à alvenaria tradicional.

Segundo o palestrante, trata-se de sistema industrializado pré-fabricado para construção de paredes, forros e revestimentos internos, composto essencialmente por estrutura metálica, isolamento termoacústico e placas de gesso acartonado, apresentando diferentes propriedades e aplicações.

Entre os principais tipos de placas oferecidas pela PLACO do Brasil estão: a padrão, ou ST; a resistente à umidade, ou RU; a resistente à fogo, ou RF; a Glassroc, que apresenta melhor resistência ao mofo e umidade (interessante para ambientes de piscinas cobertas); a Impact, capaz de resistir a carregamentos localizados (televisores, armários suspensos, prateleiras, etc) dispensando a necessidade de reforços suplementares e a Phonique, que entrega elevados níveis de atenuação sonora para isolamento acústico de ambientes (salas de jogos, quartos de hotel, estúdios, etc).

Os estudantes questionaram sobre o custo-benefício, relacionado à utilização da técnica apresentada, e o palestrante destacou três de suas principais vantagens: sua estrutura é até 6 vezes mais leve que a alvenaria tradicional, reduzindo os carregamentos e, consequentemente, os gastos com estrutura; ganha-se até 4% em área útil interna, considerando as dimensões das paredes em Dry Wall, capazes de entregar o mesmo desempenho que a alvenaria tradicional, ocupando menor espaço; o fato de tratar-se de sistema construtivo de junta a seco, reduzindo desperdícios, acelerando a execução, reduzindo custos com mão-de-obra e permitindo desmonte e reciclagem de maneira facilitada, quando comparado à alvenaria tradicional.

Atualmente a aplicação do sistema construtivo Dry Wall ocorre desde residências de baixo, médio e alto padrão, edifícios corporativos, shoppings até escolas e hospitais, principalmente devido ao seu potencial de incluir e compatibilizar diferentes infraestruturas (ventilação, água e esgotos, eletricidade, iluminação e outras), permitindo alterações de leiaute com pequenas intervenções ao longo da vida útil da edificação, otimizando processos e reduzindo custos operacionais.

O conhecimento compartilhado nesta oportunidade ampliou os horizontes de alunos dos cursos de Design e Arquitetura e Urbanismo da Faculdade Uniessa quanto às possibilidades de materiais e técnicas construtivas disponíveis no mercado, capazes de entregar desempenho superior em fase de uso e ocupação e representar custos operacionais proporcionalmente inferiores, quando comparados aos sistemas tradicionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *