‘Sustentabilidade e Preservação do Patrimônio Cultural’ em foco na Uniessa

Nessa semana os alunos dos primeiros períodos dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e Design da faculdade Uniessa participaram de uma palestra intitulada ‘Sustentabilidade e Preservação do Patrimônio Cultural’, conduzida pela arquiteta Aline Soares Côrtes.

Sob a coordenação da professora Karen Bortoli, a palestrante apresentou o conceito de patrimônio desde a etimologia da palavra, passando pelas suas variações até chegar à denominação de patrimônio cultural utilizada nos dias de hoje. Também foram abordadas as principais teorias da conservação, desde as primeiras nascidas na Inglaterra com a Revolução Industrial (John Ruskin) e na França durante as guerras napoleônicas (Viollet-Le-Duc), até chegar às teorias mais recentes como o Restauro Crítico Criativo.

A profissional falou sobre os primórdios da teoria e da prática conservativa do patrimônio no Brasil, como a iniciativa nacionalista promovida pelo governo Vargas que criou o SPHAN. Cronologicamente, os alunos tiveram a oportunidade de entender sobre a expansão do conceito de cultura e como isso afetou a percepção acerca dos bens patrimoniais, a integração das vertentes imaterial, natural, até a paisagem cultural, última categoria criada pela UNESCO.

Sobre a paisagem cultural, os participantes analisaram a definição do conceito e suas categorias de salvaguarda, além de refletir sobre os valores de excepcionalidade que ela aborda e sua relação com o desenvolvimento sustentável do planeta.

Foram expostos ainda os conceitos de patrimônio institucionalizado e patrimônio vivido, que levantaram uma discussão interessante sobre os bens culturais que temos na região de Uberlândia e do Triângulo Mineiro.

Por fim, a arquiteta apresentou o conceito de sustentabilidade e suas oito dimensões descritas por Ignacy Sachs: social, cultural, ecológica, ambiental, territorial, econômica, política nacional e política internacional, correlacionando-as com a conservação do patrimônio cultural a fim de provocar debates que permitissem analisar a preservação destes bens sob uma ótica sustentável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *